Sindicarne - Florianópolis
INDÚSTRIAS DE PRODUÇÃO E TRANSFORMAÇÃO EM PROTEÍNA ANIMAL
13/08/2019
Avicultura
Consumo de carne de frango cresce na Argentina e quase se iguala a bovina
Os argentinos estão consumindo 49 quilos de carne bovina e assada, contra quase 46 quilos de peito, perna e coxa, segundo estatísticas de Senasa e Ipcva

Avicultura Industrial

No início dos anos 90, na Argentina, eram consumidos cerca de 70 quilos de carne bovina por pessoa e o consumo de frango três vezes menor: 26 quilos e apenas 5 quilos de cortes de suínos e principalmente frios Mas, nos últimos anos, houve uma grande no consumo de carnes no páis

A combinação de peito, perna e coxa eliminou a diferença para a carne bovina. Cada argentino está consumindo cerca de 46 quilos de carne de frango contra 49 quilos de carne bovina e 17 quilos de carne, segundo estatísticas do Senasa, do Instituto para a Promoção da Carne Argentina (Ipcva) e do Secretariado da Agroindústria da Nação.

"A pecuária tem que assumir que a carne bovina agora desempenha um jogo muito equilibrado no mercado doméstico com as outras carnes, como nunca havia sido", disse Anibal Pordomingo, especialista em gado do INTA.

É a primeira vez na história, disse ele, que o consumo de carne aviária é quase igual ao dos bovinos e há um forte crescimento na escolha da carne suína, a mais consumida globalmente.

Segundo dados do Ministério da Agroindústria da Nação, nos primeiros seis meses de 2019 o consumo de carne de frango aumentou 0,8% na comparação interanual e o de aves alcançou crescimento anual de 4,5% na produção , com mais de um milhão de toneladas de janeiro a junho de 2019.

Claudia Gallinger, especialista em avicultura e diretora da INTA em Entre Ríos, província onde mais de 40% das granjas argentinas estão concentradas, disse que nos últimos anos houve uma significativa desmistificação da carne de frango. Por isso, foi considerado pelos consumidores como um alimento saudável, ainda mais digerível do que a carne vermelha.

“Essa carne é oferecida no mercado com grande diversidade, o que atrai consumidores e aumenta o consumo. A carne de frango, além disso, é sempre uma alternativa em questão de preços, especialmente em contextos de crise econômica ”, afirmou.

Nesta linha, Pordomingo disse que apesar da situação econômica do país e das novas tendências alimentares, o consumo total de carne por habitante por ano não foi modificado, apenas, agora, a cesta é mais larga.

Para Gallinger, a carne de frango está cada vez mais posicionada no mundo devido às suas inúmeras vantagens produtivas com uma tendência crescente de consumo. Nesse sentido, ele destacou as características produtivas benéficas, como sua boa conversão, a possibilidade de gerar uma criação intensiva e bem controlada e que seu consumo não é afetado por questões religiosas.

Com relação ao aumento da demanda por carne de frango, o pesquisador de Concepción del Uruguay ressaltou que os produtores argentinos estão tecnologicamente preparados para enfrentar os desafios que envolvem o aumento do consumo de frango.

Mas ele reconheceu que o setor ainda deve melhorar sua competitividade , o que se deve não apenas aos índices de produção, mas também às questões econômicas internas do país.

"Atualmente, a Argentina exporta 30% da produção total de carne de frango porque não conseguimos novos mercados, mesmo tendo capacidade para produzir mais", disse Gallinger.

É que a produção de fazendas e frigoríficos está especialmente voltada para o mercado interno em constante expansão, com números que crescem ano a ano e hoje estão entre 43 e 46 quilos por pessoa por ano.

A pesquisadora indicou que a indústria aviária tem alta demanda tecnológica e de equipamentos, dadas as características do setor que simplificam sua implementação. "Por ter ciclos curtos de produção, sua dinâmica é muito mais rápida que a bovina, o que complica o acompanhamento adequado do Estado", concluiu.

Tags: