Sindicarne - Florianópolis
INDÚSTRIAS DE PRODUÇÃO E TRANSFORMAÇÃO EM PROTEÍNA ANIMAL
10/07/2019
Avicultura
Carne de frango inicia segundo semestre com melhores perspectivas na exportação
A possibilidade de melhores exportações no decorrer do segundo semestre de 2019 deve, doravante, sair do mero terreno das expectativas e se tornar realidade

AviSite

A possibilidade de melhores exportações no decorrer do segundo semestre de 2019 deve, doravante, sair do mero terreno das expectativas e se tornar realidade. Independentemente do fato de, normalmente, os resultados do segundo semestre serem superiores aos do primeiro.

A abertura do semestre já aponta nessa direção. Pois, nos cinco primeiros dias de embarques do mês de julho foram exportadas 86.768 toneladas de carne de frango in natura, volume correspondente a uma média diária de 17.354 toneladas, o segundo melhor resultado dos últimos 10 meses.

É verdade que, comparativamente ao mês anterior e ao mesmo mês do ano passado ainda pairam diferenças negativas bastante significativas: queda de 7,83% em relação a junho passado e de 12,89% em relação a julho de 2018.

Nestes casos, porém, há detalhes que não podem ser ignorados. Por exemplo: enquanto junho último teve 19 dias úteis, julho corrente tem 23 dias úteis. Assim, ainda que os embarques deste mês permaneçam negativos, a manutenção da média atual significará aumento de mais de 10% sobre o mês anterior – e algo não muito distante das 400 mil toneladas.

Já os excepcionais resultados de julho de 2018 apresentam distorções – há tempos reconhecidas – relacionadas à mudança de sistemas de acompanhamento das exportações pela, então, SECEX/MDIC (tanto que, naquele mês, foi computado o maior embarque da história, enquanto no mês anterior o volume exportado foi o menor em mais de 10 anos). Assim, é mais do que provável que a atual média diária de embarques seja superior à de um ano atrás, possibilidade à qual se soma o fato de julho corrente ter um dia útil a mais que julho de 2018.

Outro fato extremamente positivo em relação às primeiras exportações do semestre refere-se ao preço médio registrado pelo produto in natura, muito próximo de US$1.700,00 por tonelada (mais exatamente, US$1.698,94/t). Quase 5% superior ao que foi alcançado em junho passado e perto de 13% acima do registrado há um ano, o valor médio atual corresponde ao melhor resultado dos últimos 48 meses.

Tags: