Sindicarne - Florianópolis
INDÚSTRIAS DE PRODUÇÃO E TRANSFORMAÇÃO EM PROTEÍNA ANIMAL
13/05/2020
Milho sobe no mercado físico brasileiro e em Chicago nesta terça-feira
Traders americanos apostam em menos área plantada com milho nos EUA

Notícias Agrícolas

A terça-feira (12) registrou movimentações positivas para a maioria dos preços do milho no mercado físico brasileiro. Em levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas, as únicas desvalorizações foram percebidas em Campo Novo do Parecis/MT (2,63% e preço de R$ 37,00).

Já as valorizações apareceram nas praças de Palma Sola/SC (1,19% e preço de R$ 42,50), Rio Verde/GO (1,39% e preço de R$ 36,50), Castro/PR (2,33% e preço de R$ 44,00), Cascavel/PR (2,50% e preço de R$ 41,00), Sorriso/MT disponível (3,13% e preço de R$ 33,00) e Jataí/GO (4,29% e preço de R$ 36,50).

Confira como ficaram todas as cotações nesta terça-feira.

De acordo com o boletim diário da Radar Investimentos, o mercado físico do milho mostrou sustentação no início desta semana. “Com os produtores mais cautelosos e ausentes na venda, os preços têm ganhado alguma tração em relação aos dias anteriores. Em Campinas-SP, as referências giram entre R$50,00 e R$51,00/sc, CIF, 30d”.

O Imea (Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária) divulgou relatório apontando que, mesmo com as incertezas da demanda pelo cereal e os receios com as condições climáticas para o desenvolvimento do grão, a comercialização da safra 19/20 avançou 5,32 pontos percentuais em relação ao relatório anterior (mar/20), totalizando 81,99% do cereal vendido no estado e ficando próximo da máxima dos últimos cinco anos.

A publicação destaca ainda que, para a safra 2020/21 as negociações já foram finalizadas para 29,47% do total esperado, após um avanço de 6,38 pontos percentuais com relação ao mês anterior. Entre os fatores que estimularam as vendas estão os bons preços de mercado, com média de R$ 29,21.

“Isso configura recorde de antecipação dos negócios, uma vez que no mesmo período dos anos anteriores não foram registradas vendas pelo Imea”, diz o relatório.

Por fim, o instituto ainda aponta que o indicador Imea/MT fechou a semana em R$ 39,61, com aumento de 0,28% com relação a semana anterior, impulsionado pelo aumento do dólar ante ao real e as valorizações do cereal na Bolsa de Chicago (CBOT).

B3



A Bolsa Brasileira (B3) operou o dia todo com muitas movimentações para os preços futuros do milho e registrava flutuações em campo misto entre 0,21% negativo e 0,44% positivo por volta das 16h21 (horário de Brasília).

O vencimento maio/20 era cotado à R$ 50,20 com ganho de 0,44%, o julho/20 valia R$ 46,90 com desvalorização de 0,21%, o setembro/20 era negociado por R$ 45,30 com baixa de 0,04% e o novembro/20 tinha valor de R$ 47,81 com perda de 0,08%.

Mercado Externo

Para a Bolsa de Chicago (CBOT) a terça-feira (12) foi de flutuações variadas para os preços internacionais do milho futuro.  As principais cotações abriram o dia caindo, mas registraram movimentações positivas entre 1,00 e 5,25 ponto ao final do dia.

O vencimento maio/20 foi cotado à US$ 3,23 com valorização de 5,25 pontos, o julho/20 valeu US$ 3,22 com alta de 3,75 pontos, o setembro/20 foi negociado por US$ 3,26 com elevação de 2,00 pontos e o dezembro/20 teve valor de US$ 3,35 com ganho de 1,00 pontos.

Esses índices representaram valorizações, com relação ao fechamento da última segunda-feira, de 1,57% para o maio/20, de 1,26% para o julho/20, de 0,62% para o setembro/20 e de 0,30% para o dezembro/20.

Segundo informações do site internacional Farm Futures, os preços do milho ganharam impulso nesta tarde, depois que os traders descartaram amplamente um conjunto misto de dados WASDE e começaram com algumas compras técnicas e coberturas curtas, porque alguns traders ainda esperavam uma mudança moderada no plantio americano para hectares de soja este ano.

“A perspectiva WASDE do USDA para o milho inclui a suposição de alta produção e uso doméstico, com exportações crescentes. O resultado líquido ainda será de estoques finais maiores, de acordo com a agência”, aponta o analista Ben Potter.

O progresso do plantio de milho está agora em 67%, acima dos 51% há uma semana e ainda bem acima da média anterior de cinco anos de 56%, segundo o último relatório de progresso de safras do USDA, na segunda-feira à tarde.

“Ainda assim, os analistas esperavam um ritmo de plantio ainda mais agressivo, com um palpite comercial médio de 71%”, diz Potter.

Tags: