Sindicarne - Florianópolis
INDÚSTRIAS DE PRODUÇÃO E TRANSFORMAÇÃO EM PROTEÍNA ANIMAL
18/02/2020
Soja: Mercado opera em alta nesta 3ª feira na Bolsa de Chicago com volta do feriado dos EUA
O mercado da soja opera em alta nesta terça-feira (18) na Bolsa de Chicago com a volta do feriado dos EUA comemorado nesta segunda (17) e quando os negócios ficaram parados

Notícias Agrícolas

O mercado da soja opera em alta nesta terça-feira (18) na Bolsa de Chicago com a volta do feriado dos EUA comemorado nesta segunda (17) e quando os negócios ficaram parados. Por volta de 7h10 (horário de Brasília), as cotações subiam entre 3 e 4,25 pontos nas posições mais negociadas, levando o março a US$ 8,97 e o maio a US$ 9,07 por bushel.

A soja sobe na esteira do milho e do trigo, inclusive contrariando algumas expectativas de baixas dos traders para essa retomada dos negócios, num movimento de rally especulativo, como explica o consultor Steve Cachia, da Cerealpar e da AgroCulte.

"O suporte é especulativo, após divulgação de alerta pela ONU de que enxames de gafanhotos na África estavam se multiplicando rapidamente e sem controle, e migrando em direção a região do Mar Negro e sul da Ásia. Com isso, alguns mercados ontem, inclusive na China, registraram rally especulativo, com temores de que grandes áreas de trigo e milho possam ser afetadas, assim reduzindo a produção mundial e aumentando a demanda de importação de grãos", explica Cachia.

No entanto, o analista completa dizendo que "o efeito "gafanhotos" é polêmico, porque normalmente não afeta questões macros e tem apenas influência localizada, no entanto, desta vez, a especulação pode ser maior devido a extensão do problema".

Na outra ponta, atenção ao desenvolvimento da colheita brasileira e aos movimentos da China no mercados dos EUA, uma vez que já está em vigor o acordo comercial entre os dois países.

"Não vai ser uma correria de compras, mas a China tem que comprar bastante soja dos EUA. Ainda assim, eles vão continuar comprando o que estiver mais barato no Brasil. Eu acredito que eles irão comprar algo entre 55 e 58 milhões de toneladas do Brasil e os outros 30 milhões de toneladas de outros lugares do mundo", diz Vlamir Brandalizze, consultor de mercado da Brandalizze Consulting.

Tags: