Sindicarne - Florianópolis
INDÚSTRIAS DE PRODUÇÃO E TRANSFORMAÇÃO EM PROTEÍNA ANIMAL
02/12/2019
Suinocultura
Preços da carne suína na China se recuperam com o aumento do consumo no frio
Os preços da carne suína na China subiram nesta segunda-feira

Reuters

Os preços da carne suína na China subiram nesta segunda-feira (02), a primeira recuperação significativa em mais de um mês, à medida que o consumo aumenta com o clima mais frio, enquanto as ofertas permanecem escassas no principal consumidor mundial de carne.

Os preços têm sido voláteis, mas analistas dizem que agora podem começar uma tendência de alta novamente, uma vez que o consumo aumentará durante o inverno até o feriado do Ano Novo Lunar no final de janeiro, quando o consumo de carne atinge o pico tradicional.

Os preços da carne suína chinesa subiram em outubro para quase três vezes o nível do ano anterior, depois que milhões de porcos morreram de peste suína africana e o enorme rebanho de suínos do país encolheu mais de 40%.

Mas, depois de ultrapassar 52 yuans (US$ 7,39) por quilo, os preços caíram inesperadamente 20% no mês passado, com os consumidores cortando a carne cara e mais suprimentos de carne de porco congelada foram lançados no mercado.

Na segunda-feira (02) os preços no atacado da carne suína subiram 1,1% em relação à sexta-feira (29), atingindo 42,53 yuan por quilo, segundo dados do Ministério da Agricultura e Assuntos Rurais do país asiático.

"A lacuna na oferta de suínos ainda é bastante grande", disse Shu Anli, analista da China-America Commodity Data Analytics. "O consumo também aumentou quando a temperatura caiu", disse.

Depois que os altos preços da carne suína elevaram o índice de preços ao consumidor (CPI) da China em 3,8% em outubro, o máximo em quase oito anos, Pequim interveio para manter os preços sob controle, lançando inspeções nas instalações de armazenamento a frio e liberando carne suína das reservas estatais, segundo analistas.

PROPAGANDA

"O governo disse em 4 de novembro que realizará inspeções em matadouros em todo o país e destruirá qualquer carne com o vírus da peste suína africana; depois, os frigoríficos entraram em pânico e venderam sua carne, o que provocou a queda de preço", disse Meng Jinhui, analista. com futuros de Shengda.

Seis províncias do sul da China, incluindo as principais regiões de consumo de carne suína, Guangdong e Guangxi também decidiram no início de novembro proibir a importação de suínos vivos de outras províncias a partir de 30 de novembro para ajudar a conter a propagação da doença.

Muitos agricultores, preocupados com um futuro declínio na demanda, correram para enviar seus porcos aos matadouros antes que a política entrasse em vigor, esfriando os preços. Alguns agricultores também entraram em pânico com relatos de novos surtos de peste suína africana que os pressionaram a vender seus porcos. Isso aumentou a oferta, mas apenas temporariamente, pois o mercado ainda está pressionado depois que tantos animais morreram no ano passado.

"Os suprimentos já estão escassos, agora o número de porcos prontos para abate é ainda menor", disse Yao Guiling, analista de agricultura da China Securities Futures.

Prevê-se que os preços da carne de porco aumentem ainda mais, à medida que o consumo continua aumentando até o feriado do Ano Novo Lunar.

"Com o frio, os consumidores de algumas regiões do sul começarão a preparar produtos suínos em conserva, o que aumentará o consumo", disse Zhao Yuelei, analista da Cofeed, uma empresa de pesquisa do agronegócio.

PROPAGANDA

O vice-primeiro-ministro chinês Hu Chunhua disse no sábado que o país deve trabalhar resolutamente para atingir a meta de recuperar os números de produção de suínos e estabilizar o suprimento de carne suína para os próximos feriados, informou a Agência de Notícias Xinhua.

($ 1 = 7,0389 yuan chinês renminbi)

Tags: