Sindicarne - Florianópolis
INDÚSTRIAS DE PRODUÇÃO E TRANSFORMAÇÃO EM PROTEÍNA ANIMAL
19/09/2018
Milho: Focado na colheita nos EUA, mercado recua pelo segundo dia consecutivo na Bolsa de Chicago
Pelo segundo dia consecutivo, os preços futuros do milho negociados na Bolsa de Chicago (CBOT) recuaram

Notícias Agrícolas

Pelo segundo dia consecutivo, os preços futuros do milho negociados na Bolsa de Chicago (CBOT) recuaram. Durante a sessão desta terça-feira (18), as cotações do cereal ampliaram as perdas e finalizaram o dia com quedas de mais de 4 pontos, uma desvalorização de mais de 1%.

O vencimento dezembro/18 era cotado a US$ 3,43 por bushel, enquanto o março/19 trabalhava a US$ 3,55 por bushel. O contrato maio/19 era negociado a US$ 3,64 por bushel e o julho/19 a US$ 3,70 por bushel.

"As pressão da colheita e as preocupações com o comércio continuam prejudicando os preços do milho e da soja", destacou o site internacional Farm Futures.

Ainda nesta segunda-feira, o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) reportou seu novo boletim de acompanhamento de safras e estimou a área colhida em 9% no país. Na semana anterior, o índice estava em 5%.

A perspectiva é que sejam colhidas 376,63 milhões de toneladas nesta temporada. Volume acima do apontado em agosto pelo USDA, de 370,51 milhões de toneladas. A produtividade subiu de 186,62 sacas para 189,65 sacas por hectare.

A guerra comercial entre Estados Unidos e China também permanece no radar dos investidores. "O governo da China disse que aplicará retaliações a produtos americanos, depois que a Casa Branca anunciou uma elevação de tarifas no comércio com Pequim e mesmo diante das ameaças do presidente Donald Trump", informou a Reuters.

Mercado interno

Enquanto isso, no mercado doméstico, o preço subiu 3,33% em São Gabriel do Oeste (MS), com a saca a R$ 31,00 nesta terça-feira. As informações fazem parte do levantamento diário realizado pela equipe do Notícias Agrícolas.

Na região de Sorriso (MT), a saca subiu 2,22% e fechou o dia a R$ 23,00. No Oeste da Bahia, a alta foi de 0,75%, com a saca a R$ 33,75. No Porto de Paranaguá, a saca futura, para entrega em outubro/18, subiu 1,25%, com a saca a R$ 40,50.

No porto, a alta é decorrente do ganho observado no dólar. A moeda norte-americana encerrou o dia a R$ 4,1422 na venda. No dia anterior, o câmbio caiu 1% e encerrou o pregão a R$ 4,1252.

"O dólar exibiu alguma correção após o forte recuo da véspera, enquanto investidores aguardavam pesquisa eleitoral Ibope à noite, mas sem tirar o exterior do foco, onde os EUA anunciaram que vão adotar tarifas sobre 200 bilhões de dólares em produtos chineses", informou a Reuters.

Enquanto isso, em Londrina (PR), a perda ficou em 3,08%, com a saca a R$ 31,50. Em Rio do Sul (SC), a desvalorização ficou em 2,56%, com a saca a R$ 38,00.

Dados do Cepea apontam que "a liquidez segue baixa no mercado interno de milho. Tanto compradores quanto vendedores mostram pouco interesse em negociar". As cotações operam de maneiras distintas, influenciadas nas ofertas e demandas regionais.

Tags: