Sindicarne - Florianópolis
INDÚSTRIAS DE PRODUÇÃO E TRANSFORMAÇÃO EM PROTEÍNA ANIMAL
08/03/2018
Suinocultura
Valor global da exportação de carne suína bateu recorde em 2017
O valor das exportações globais de carne suína alcançaram um novo recorde em 2017, cerca de US$ 20,23 bilhões, um aumento de 5% em relação ao mesmo período do ano anterior

Suino.com

O valor das exportações globais de carne suína alcançaram um novo recorde em 2017, cerca de US$ 20,23 bilhões, um aumento de 5% em relação ao mesmo período do ano anterior. Para os seis maiores exportadores do mundo, o valor das exportações mais do que duplicou desde 2006. A informação foi divulgada pelo site The Hog Farmer no dia 07 de março.

Em parte, os números foram impulsionados pelo aumento da demanda da China. Quanto ao volume, as exportações dos seis principais fornecedores mundiais (União Europeia, Estados Unidos, Canadá, Brasil, Chile e México) totalizaram 8,065 milhões de toneladas, caindo 2%, após um notável aumento de 18% em 2016.

A China retraiu suas importações no ano passado (17% menos), mas ainda assim foi o segundo maior volume registrado: 2,45 milhões de toneladas (58% em relação a 2015). A demanda global de carne de suína manteve-se em níveis impressionantes, já que o crescimento em outros mercados de importação – mesmo os emergentes – ajudou a compensar o declínio da China.

Os Estados Unidos lideraram o crescimento global das exportações de carne suína com um aumento de 6%: 2,45 milhões de toneladas, enquanto o valor das exportações subiu 9% (US$ 6,449 bilhões).

As exportações suínas da União Europeia encerraram o ano em 3,5 milhões de toneladas -menos 8% em relação ao recorde de 2016. O valor de exportação, no entanto, manteve-se estável em US$ 8,46 bilhões. As exportações da UE diminuíram para a China / Hong Kong (1,8 milhões de toneladas, 18%), mas aumentaram para o resto do mundo (1,71 milhões de toneladas, 6% acima). Isso incluiu crescimento para o Japão (378,360, até 7%), Coréia do Sul (267,396, 5% acima) e Filipinas (198,409, 13%).

As exportações brasileiras em 2017 caíram 5% em relação ao recorde de 2016, totalizando 680 mil toneladas de toneladas. Devido em parte à moeda mais forte, o valor das exportações aumentou 10% para US$ 1,6 bilhão. O volume de exportação diminuiu para Hong Kong (155 mil toneladas, 5%) e caiu fortemente para a China (48,940, abaixo de 44%), mas de outra forma aumentou para a maioria dos outros principais destinos, incluindo Argentina (32,455, até 30%), Uruguai ( 31.021, 9%), Angola (30.256, 2%), Chile (23.416, 1%) e Geórgia (11.077, 27% acima).

A questão mais urgente para a indústria brasileira de carne suína é o futuro do mercado russo, para o qual as exportações aumentaram 6% para 257.460 e representaram 38% do volume total exportado do Brasil em 2017. Mas a Rússia suspendeu as importações de carne suína brasileira em 1º de dezembro devido à detecção de resíduos de Beta-agonistas e, três meses depois, o mercado permanece fechado. A menos que este impasse seja resolvido em breve, poderá representar um grande desafio para as exportações brasileiras em 2018 e ser uma fonte de pressão nos preços em mercados como a China / Hong Kong.

Tags: